Apesar de algumas funcionalidades utilizarem javascript você poderá navegar normalmente pelo site.

FISCALIZAÇÃO

Após fraudes, hospitais do DF não receberam mais recursos para compra de próteses e órteses para cirurgias ortopédicas

Levantamento realizado pelo deputado Chico Leite no SIGGO revela queda, desde 2013, nos recursos destinados pelo governo para o fornecimento dos materiais para as unidades de saúde pública da cidade. “Depois da descoberta da máfia das próteses, nada mais foi investido e as filas só aumentam. É preciso mudar essa realidade”, defende o parlamentar


21/02/2017
Reprodução da internet
Enquanto cresce o número de pacientes e o tempo de espera na fila para realização de procedimentos cirúrgicos, principalmente ortopédicos, o Governo do Distrito Federal (GDF) vem reduzindo, ano a ano, o investimento em aparelhos de órteses e próteses cirúrgicas para os hospitais públicos. Fiscalização realizada pelo deputado Chico Leite (Rede) revela que, após as denúncias que levaram à prisão da chamada "Máfia das Próteses”, neste ano nenhum centavo foi gasto pelo governo com o fornecimento dos materiais, segundo dados do Sistema Integrado de Gestão Governamental (SIGGO).

Desde 2013, quando o orçamento autorizado foi de R$ 53,9 milhões, tendo sido R$ 53,3 milhões (98.87%) empenhados e R$ 46,3 milhões (85.82%) liquidados, em 2014 o orçamento foi reduzido para R$ 52,4 milhões, sendo que R$ 45,6 milhões (87.04%) foram empenhados e R$ 33 milhões (63.02%) foram efetivamente gastos. A destinação dos recursos seguiu em constante queda e, em 2015, o GDF liberou R$ 39,2 milhões, dos quais R$ 35,7 milhões (91,22%) foram empenhados e R$ 30,1 milhões (76.86%) foram executados. Em 2016, apenas R$ 14,1 milhões foram autorizados, sendo R$ 8,3 milhões (59.30%) empenhados e R$ 6,6 milhões (47.11%) liquidados no período.

O orçamento para este ano é o mais baixo dos últimos anos. Apenas R$ 6,5 milhões, valor 88% menor que o disponível em 2013, foram destinados para o fornecimento dos aparelhos de próteses e órteses ambulatoriais e cirúrgicas. Desse total, apenas R$ 370,8 mil foram empenhados, mas nenhum centavo foi efetivamente aplicado na compra dos materiais até o momento.