Apesar de algumas funcionalidades utilizarem javascript você poderá navegar normalmente pelo site.

SUSTENTABILIDADE

Chico Leite participa do Congresso Internacional de Energias Renováveis

O parlamentar moderou o debate Sustentabilidade: Vetor para o Desenvolvimento Social e Econômico. “Precisamos ampliar o planejamento sobre matrizes energéticas limpas e criar as condições necessárias para atrair investimentos no setor, gerando também empregos e renda sem danos ao meio ambiente”, defendeu


22/05/2017
Cleudson Fernandes
Presidente da Frente Parlamentar Ambientalista e do Grupo Técnico sobre a Crise Hídrica na Câmara Legislativa, o deputado Chico Leite (Rede Sustentabilidade) participou, na quarta-feira (17), do Congresso Internacional de Energias Renováveis, promovido pela Câmara de Comércio Brasil - Portugal, que aconteceu entre os dias 16 e 18 de maio, em Brasília. O parlamentar moderou o debate "Sustentabilidade: Vetor para o Desenvolvimento Social e Econômico", que contou com a participação do deputado Alessandro Molon (Rede/RJ) e do secretário de Meio Ambiente do DF, André Lima.

Para Chico Leite, o Distrito Federal possui forte vocação para se tornar um polo de desenvolvimento sustentável. “Precisamos ampliar o planejamento sobre matrizes energéticas limpas e criar as condições necessárias para atrair investimentos no setor, gerando também empregos e renda sem danos ao meio ambiente”, defendeu.

O secretário do Meio Ambiente, André Lima, afirmou que, hoje, 100% da energia da cidade vêm de fontes hidrelétricas, lembrou a realidade vivida no DF, em plena crise hídrica, e defendeu o programa Brasília Solar, criado pelo GDF com o objetivo de estimular o uso de energia solar em casas, comércios, escolas, universidades e hospitais. Para o deputado federal Alessandro Molon (Rede/RJ), o Brasil está com investimentos atrasados no setor em relação a outros países. Ele defende que o Brasil incentive mais a pesquisa nas universidades, no governo e nas empresas, estimulando a produção de energias renováveis, como a eólica e a solar.


Por: Tiago Monteiro Tavares